Painel do Associado
Seja bem vindo ao
LOGIN DO ASSOCIADO


Voltar
RECUPERAÇÃO
DE SENHA

Atenção, enviamos o e-mail de recuperação de senha para:

Por favor, verifique seu e-mail para recuperar sua senha.

Carregando . . .

Notícia

publicado em 19/05/2022

SINDICALISMO VOLTA A CRESCER NOS ESTADOS UNIDOS APÓS DÉCADAS

Precarização do trabalho e superlucro de grandes empresas impulsionou movimento
Os Estados Unidos da América servem de exemplo para muitas pessoas quando apontam um país de sucesso, e muitas vezes justificando esse pensamento por conta da baixa adesão sindical, que caiu década após década, desde os anos 1960.

Ao contrário, nos EUA a população perdeu seu poder de compra com salários estagnados, inflações e direitos trabalhistas precários. Basta ver os trabalhos aos quais imigrantes latinos e asiáticos se prestam no país para sobreviver com um salário miserável e sem proteção trabalhista, muito retratado em filmes e séries. Situação esta em que os brasileiros, sob o governo de Jair Bolsonaro, se viram atolados.

E para os estadunidenses nativos a situação não é tão diferente. Com o advento do home office, com a pandemia e com empresas tendo faturamentos gigantescos (as mesmas que empregam diversos funcionários com salários baixos), os EUA se tornaram um território propício para o ressurgimento de sindicatos.

O atual presidente Joe Biden sempre se mostrou partidário das lutas sindicais, como já publicado pelo SINTTARESP (https://www.sintaresp.com.br/site/Midias/Noticia/1256/presidente-joe-biden-eu-sou-um-homem-de-sindicato-e-eles-perceberam-isso) e está ao lado dos trabalhadores de empresas como a Amazon e o Starbucks, que organizaram um movimento sindical para se protegerem com relação às questões trabalhistas frente suas empresas, que tem superfaturamentos anuais.

Foi criado em abril de 2022 o sindicato Amazon Labor Union (ALU), com adesão de mais de 2 mil votos em um depósito de Nova York, maioria deles da juventude negra e latina e a classe média empobrecida. Já Jeff Bezos, dono da Amazon, é um dos homens mais ricos do mundo em todas as listas do gênero, e sua empresa foi acusada por diversos trabalhadores de não reconhecer o trabalho de seus funcionários e nem de oferecer proteções mínimas contra a Covid-19 nos últimos anos.

Tal é a situação dos trabalhadores no país que as reivindicações passam por salário mínimo estabelecido, transporte para o trabalho e creche para os pais colocarem seus filhos e irem trabalhar.

Será que um país sem sindicatos e sem direitos trabalhistas é uma boa ideia?
Os trabalhadores norte-americanos já responderam que NÃO!

SINDICALIZE-SE, JUNTOS SOMOS MAIS FORTES!

Secretário de Imprensa
Georges Ken Norton de Oliveira
 
  • Comentar
  • Enviar
  • Imprimir

Ainda não há comentarios. Seja o primeiro a comentar.

Leia Também

Convênios e Benefícios

Galeria de Fotos

publicado em 26/08/2019

I ENCONTRO BENEFICENTE SINTTARESP

Jornal do Sinttaresp