Painel do Associado
Seja bem vindo ao
LOGIN DO ASSOCIADO


Voltar
RECUPERAÇÃO
DE SENHA

Atenção, enviamos o e-mail de recuperação de senha para:

Por favor, verifique seu e-mail para recuperar sua senha.

Carregando . . .

Notícia

publicado em 28/06/2022

O IMINENTE RETORNO DA POLIOMIELITE NO BRASIL

Ideologia antivacina e ausência de estímulo governamental são as causas
A poliomielite, doença que causa paralisia infantil, volta a assombrar o Brasil depois de 40 anos. Especialistas analisam que a ideologia antivacina e ausência (e negligência) na elaboração de um programa nacional constante de incentivo à vacinação estão entre as causas para esta catástrofe.

Como se não bastasse a pandemia da Covid-19, que vitimou milhões ao redor do mundo - muitos destes vítimas da ideologia antivacina - a poliomielite está prestes a retornar com força no Brasil, assim como o sarampo, que voltou nos últimos anos.

A baixa adesão da população à vacinação faz com que doenças consideradas erradicadas voltem a fazer inúmeras vítimas. O Brasil não é o único país que a poliomielite assombra. Moçambique e Malauí são dois países que enfrentaram grave surto da doença, pois, não coincidentemente, tem baixa adesão à vacinação.

A influência e o poder estatal, para o combate a estas doenças, por meio do Ministério da Saúde, é gigante, mas nos últimos anos, sob o governo de Jair Bolsonaro, tem havido uma contrapropaganda à vacinação. O deboche e a minimização da vacinação de um chefe de estado deforma a opinião pública para aderir a esta ideia antissocial e que atenta contra a vida de milhões de pessoas. Jair Bolsonaro e seus ministros da saúde carregarão mais esta marca negativa e sombria.

Em 2013 todas as crianças que deveriam tomar a vacina contra a polio se imunizaram. Já em 2020 75,86% aderiram à vacina, certamente influenciada por seus pais (já que a idade da vacinação contra a polio não nos leva a crer que uma criança rejeite as gotinhas por alguma ideologia). Os pais, por sua vez, possivelmente influenciados pelo negacionismo bolsonarista.

Além da polio, as vacinas contra as hepatites A e B, rotavírus, a vacina meningocócia entre outras, decresceram na adesão de 2015 até os dias atuais, com grande ênfase nos últimos anos, o que coloca a vida de milhões de crianças brasileiras em risco.

O SINTTARESP alerta que as vacinas são imprescindíveis para o controle e a erradicação de inúmeras doenças e amenizam os efeitos de outras tantas enfermidades e JAMAIS compactuaremos com a irresponsabilidade e as mentiras da ideologia antivacina.

Secretário de Imprensa
Georges Ken Norton de Oliveira
  • Comentar
  • Enviar
  • Imprimir

Ainda não há comentarios. Seja o primeiro a comentar.

Leia Também

Convênios e Benefícios

Galeria de Fotos

publicado em 26/08/2019

I ENCONTRO BENEFICENTE SINTTARESP

Jornal do Sinttaresp